MULHERES NO PODER

Público lotou o auditório do Memorial Darcy Ribeiro para saudar Sônia Guajajara e Célia Xakriabá, empossadas nesta quarta (1º) no Congresso Nacional

"Nós somos o povo que resiste pela força do cantar. Antes do Brasil da coroa, existe o Brasil do cocar", recitou Célia Xakriabá, ao lado de Sônia Guajajara. Foto: Raquel Aviani/Secom UnB

 

A Universidade de Brasília despertou nesta quarta-feira (1º), ao som de maracás. Antecedendo a cerimônia de posse das deputadas Sônia Guajajara e Célia Xakriabá, marcada para ocorrer no mesmo dia, no Congresso Nacional, um café da manhã no Memorial Darcy Ribeiro reuniu as duas líderes indígenas e um grande público composto por estudantes, ativistas, jornalistas e representantes de povos indígenas de todo Brasil.

Célia Xakriabá, mestra em Sustentabilidade junto a Povos e Territórios Tradicionais pela UnB e eleita deputada federal pelo estado de Minas Gerais, é uma das lideranças que compõem a chamada Bancada do Cocar.

Ao lado de indígenas, as deputadas eleitas falaram para grande público. Foto: Raquel Aviani/Secom UnB

 

Em 2022, cinco indígenas foram eleitos deputados federais. Quatro são mulheres. Trata-se de um marco histórico. Até então, somente dois indígenas haviam conquistado cadeiras na Câmara, com uma distância de 36 anos entre os dois mandatos: Mário Juruna (1982) e Joênia Wapichana (2018), a primeira parlamentar indígena no Brasil e hoje presidenta da Fundação Nacional dos Povos Indígenas (Funai).

“Chegamos para ocupar o Congresso com a Bancada do Cocar. É um dia histórico e de uma construção coletiva, que vem da força das mulheres indígenas, mulheres da terra”, destacou Célia Xakriabá, em seu pronunciamento.

Professora e ativista do movimento indígena, Célia foi palestrante do #InspiraUnBem2018. A força de sua oratória, intercalada por loas – poemas em quadras –, já chamava a atenção naquela época.

Ouça um trecho do pronunciamento de Célia Xakriabá:

 

A professora Altaci Rubim, primeira indígena a fazer parte do corpo docente da UnB, esteve presente no evento no Memorial Darcy Ribeiro. “É de suma importância a presença de Célia Xakriabá na Câmara para dar continuidade aos projetos de lei e às pautas indígenas na casa”, afirmou a professora do Instituto de Letras (IL), referindo-se a temas como a demarcação de terras, saúde e educação escolar indígenas.

A ampliação da presença indígena na política institucional inclui cargos no poder executivo. Sônia Guajajara, também eleita deputada federal por São Paulo, foi empossada ministra dos Povos Indígenas do Brasil, em 11 de janeiro.

Como Célia Xakriabá, a deputada e ministra Sônia Guajajara defende “mulherizar a política”, como ação estratégica para aumentar a presença de mulheres em espaços de poder e combater a violência contra elas, os povos indígenas e a natureza.

 

Curta essa publicação no Instagram

 

Leia também:

>> Docentes da Faculdade de Direito integram Comissão de Anistia

>> UnB celebra visibilidade trans

>> Nova gestão do ICH toma posse para quadriênio 2023-2026

>> Após 50 anos, Departamento de Geografia recebe reforma no subsolo do ICC

>> Administração Superior conversa com servidores da Biblioteca Central

>> UnB e Agence Universitaire de Francophonie estudam parceria

>> Programas de assistência estudantil da UnB estão com inscrições abertas

>> Ana Flávia Magalhães Pinto é a nova diretora-geral do Arquivo Nacional

>> Estudantes da UnB e de instituição da Dinamarca buscam soluções sustentáveis para Brasília

>> UnB sedia INCT com foco em mulheres pesquisadoras

>> Reitora ouve demandas do Instituto de Ciências Exatas

ATENÇÃO – As informações, as fotos e os textos podem ser usados e reproduzidos, integral ou parcialmente, desde que a fonte seja devidamente citada e que não haja alteração de sentido em seus conteúdos. Crédito para textos: nome do repórter/Secom UnB ou Secom UnB. Crédito para fotos: nome do fotógrafo/Secom UnB.