CIÊNCIA

A convite da Heidelberg Laureate Forum Foundation, Secretaria de Comunicação acompanhou ida de docente da Universidade ao evento

 

Durante as atividades do fórum, participantes têm a chance de conversar com grandes mentes da atualidade. Foto: © Heidelberg Laureate Forum Foundation - Flemming – 2017

 

Entre os dias 24 e 29 de setembro, 220 profissionais de carreira promissora nos campos da Matemática e da Ciência da Computação estiveram reunidos com mentes premiadas na área, durante a quinta edição do Heidelberg Laureate Forum (HLF), na Alemanha. Em seis dias de total envolvimento, estes jovens pesquisadores tiveram a oportunidade de assistir a aulas de alguns dos ganhadores da Medalha Fields, do Prêmio Abel, do Türing Award e do prêmio Nevannlinna, destinados aos cientistas mais destacados em suas áreas. 

 

Entre os talentos do futuro selecionados para o HLF 2017, estava a docente do Departamento de Matemática da UnB Jaqueline Mesquita. Esta era a última chance da professora para estar entre os maiores de sua especialidade. Para concorrer à participação no fórum, é preciso ter concluído o doutorado há, no máximo, cinco anos. Jaqueline obteve a titulação em 2012.

 

IMERSÃO A programação do 5º HLF foi intensa. Mesmo assim, houve muito espaço para que os participantes interagissem entre si. Laureados, jovens pesquisadores e demais equipes dividiram todos o mesmo ambiente. Os coffee breaks, com duração aproximada de uma hora, constituíram momentos de destaque para as interações.

 

“Conheci uma docente de universidade indiana que estava buscando alguém que trabalhasse com equações diferenciais de retardamento. Acho que podemos pensar uma parceria”, relata Jaqueline, especialista no assunto.

Professora Jaqueline Mesquita diz ter perspectivas de novas parcerias, construídas durante os momentos de interação social do evento. Foto: © Heidelberg Laureate Forum Foundation - Flemming – 2017

 

O estudante de pós-doutorado Ihechukwu Chinyere, da Nigéria, falou sobre a troca de experiências que teve com a representante da Universidade de Brasília. “A professora Jaqueline me falou que na UnB há oportunidades como as que eu buscava e já me deu algumas informações”, conta.

 

Além do ritmo agitado pelos tópicos mais relevantes da atualidade, os participantes do 5º HLF também tiveram a chance de conhecer um pouco mais da cultura de Baden Württemberg, região onde se encontra Heidelberg.

 

Em uma das noites, todos se dirigiram a uma fazenda próxima à cidade de Mannheim, vizinha à Heidelberg, para assistir a uma apresentação de dança típica da região, além de provar a cozinha local. Nesse mesmo dia, os participantes foram orientados a utilizarem trajes típicos que representassem sua própria cultura.

 

Maíra Rejane, brasileira e estudante de doutorado na área de Ciência da Computação na Universidade de Chile, optou por um traje característico daquele país. As pessoas paravam a doutoranda para tirar fotos e engatavam conversas sobre seus campos de atuação. “Já estou aceita para o pós-doc e é muito bom construir novas parcerias”, disse.

 

DESTAQUESNa edição de 2017, os Hot Topics – momentos dedicados aos temas mais relevantes das áreas na atualidade – foram focados em Computação Quântica. Grandes pesquisadores e representantes de renomadas empresas levaram novidades no assunto.

Dr. Michael Blum, vencedor do Prêmio Turing em 1995, apresentou palestra intitulada É possível que uma máquina tenha consciência? Em direção a um modelo computacional consciente (em tradução livre). Foto: © Heidelberg Laureate Forum Foundation - Flemming – 2017

 

O professor do Imperial College London, Martin Hairer, apresentou considerações sobre a temática Taming Infinities, que dá suporte matemático à Computação Quântica, um dos maiores sucessos científicos da área no século XX.

 

Também foi destaque a palestra do cientista Scott Aaronson. Em linguagem acessível, o professor da Universidade do Texas, apresentou o que tem sido desenvolvido e quais as perspectivas da Computação Quântica para o futuro.

 

CRIATIVIDADE As atividades do fórum abriram espaço para a comunhão entre segmentos que nem sempre estão relacionados. O professor italiano Piergiorgio Odifreddi contemplou em sua palestra os resultados da união entre Matemática, arte e ciência. “Computadores são a ponte entre Matemática e arte, temos mais espaço para interação entre elas com a evolução dessas máquinas.”

 

Durante a maior parte do evento, a exposição Math==>Art esteve aberta para visitação no público. Nela, era possível observar o resultado das interações entre computadores, números e o universo artístico.

OIBM Fellow, C. Mohan, um dos representantes de grandes empresas da área, visita a exposição de matemática e arte. Foto: © Heidelberg Laureate Forum Foundation - Mueck – 2017

 

HISTÓRIA– O Heidelberg Laureate Forum é fruto de uma parceria do Instituto de Estudos Teóricos da Universidade de Heidelberg e a Fundação Klaus Tschira (KTS). Pensado desde 2011 pelo físico, filantropo e bilionário alemão Klaus Tschira, que criou um fundo para financiar a ideia, o fórum foi formalmente estabelecido em 2013.

 

“Os cinco primeiros anos foram um experimento para testar a viabilidade do modelo”, explica Beate Spiegel, presidente da Heidelberg Laureate Forum Foundation, que juntamente com a KTS dá suporte financeiro do evento.

 

O objetivo do encontro, que é realizado anualmente, é permitir a interação entre os jovens pesquisadores, assim como com os grandes nomes de cada área. As inscrições acontecem por volta de fevereiro de cada ano e os selecionados ainda têm possibilidade de concorrer ao custeio da viagem.

 

Podem se inscrever alunos de graduação, mestrado, doutorado e pós-doutorado, ou, ainda, que tenham concluído os estudos e trabalhem em organizações não científicas e tenham interesse pelo campo. Após a submissão dos documentos, os candidatos recebem, em cerca de dois meses, uma resposta, seja ela positiva ou negativa.

 

É possível obter mais informações aqui.

ATENÇÃO – As informações, as fotos e os textos podem ser usados e reproduzidos, integral ou parcialmente, desde que a fonte seja devidamente citada e que não haja alteração de sentido em seus conteúdos. Crédito para textos: nome do repórter/Secom UnB ou Secom UnB. Crédito para fotos: nome do fotógrafo/Secom UnB.