CIÊNCIA

Presença de cientistas brasileiros no continente gelado vai virar material didático do Museu Virtual da UnB

 

O coordenador do Museu Virtual da UnB, professor Gilberto Lacerda Santos, e o fotógrafo Ronaldo Iunes embarcaram para uma expedição na Antártica na segunda-feira, 7 de março. A dupla ficará na Estação Antártica Brasileira Comandante Ferraz por 12 dias, em uma missão científica que registrará a presença do nosso país no Polo Sul. Fauna, flora, clima e o cotidiano de quem faz pesquisa por lá virarão a 6ª exposição do Museu Virtual da universidade (www.museuvirtual.ghcaifu.com), com previsão de lançamento para o segundo semestre deste ano.

 

Gilberto é professor da Faculdade de Educação e Ronaldo é assistente de pesquisas no Laboratório Ábaco, da mesma unidade. A escolha do continente gelado como foco da próxima exposição partiu de uma demanda de alunos da rede pública. “Durante um dos trabalhos com a exposição virtual de Brasília, um grupo de crianças mostrou curiosidade sobre a Antártica”, conta Gilberto. “A Marinha imediatamente topou e virou parceira da iniciativa”, completa.

 

O professor acredita que a exposição será uma forma de esclarecer dúvidas e curiosidades não só dos estudantes, mas da população em geral. “Queremos colocar em evidência de que forma o Brasil está na Antártica. A ideia é mostrar como os brasileiros estão e por que estão lá”, explicou Gilberto.

 

Na bagagem da dupla há equipamento profissional para fotos e filmagem. “A nossa ideia é fazer com que as crianças das escolas aqui de Brasília possam ver e vivenciar a base da Antártica. Queremos fazer com que as pessoas se sintam lá”, diz Gilberto. A partir das fotografias, serão criadas maquetes da estação que poderão ser baixadas no Museu Virtual e impressas para montagem e colagem. “Queremos que as crianças construam a base”, afirma. “Todas as atividades do museu são acompanhadas de atividade lúcido-educativas”, explica o professor.

 

Para ele, a população desconhece a atuação brasileira no continente. “A presença do Brasil na Antártica não é demarcada por ação militar, mas por pesquisa científica. Todos os países do mundo têm uma extensão Antártica e o Brasil é um deles”, diz. “É um trabalho que busca botar em evidência um patrimônio que é de todos nós”. Durante a expedição, Gilberto e Ronaldo irão manter um diário de viagem na internet (www.viagemantartica.blogspot.com).

 

PREPARAÇÃO – A temperatura na Artártica chega a 75ºC negativos no inverno. Como agora é verão, fica em torno de 35ºC negativos. “É necessário vestir roupas especiais, cedidas pela Marinha do Brasil”, explica Gilberto. Quem embarca para a expedição só precisa levar algumas roupas de frio para a cidade do embarque, Punta Arenas, no Chile, e para a de desembarque, Ushuaia, na Argentina. Para não ter problemas com os trajes especiais, a Marinha toma todas as medidas – peso e altura – de quem irá na expedição.

 

Além disso, antes de embarcar para a Antártica, os pesquisadores tiveram de passar por uma série de exames, de audiometria – teste usado para medir a audição – a exames de coração.

ATENÇÃO O conteúdo dos artigos é de responsabilidade do autor e expressa sua visão sobre assuntos atuais. Os textos podem ser reproduzidos em qualquer tipo de mídia desde que sejam citados os créditos do autor. Edições ou alterações só podem ser feitas com autorização do autor.