OLHARES CRUZADOS

Evento on-line é fruto de parceria entre UnB e Embaixada do país europeu. Programação inaugural ocorreu nesta terça-feira (13)  

O evento vai até dia 15 de abril, sendo transmitido pela UnBTV em seu canal no YouTube. Arte: Igor Outeiral/Secom UnB

 

A segunda edição da Jornada de Jovens Pesquisadores em Ciências Sociais e Humanas, promovida pela parceria entre Universidade de Brasília e Embaixada da França no Brasil, teve início nesta terça-feira (13), de forma remota. Com o objetivo de ampliar a cooperação científica internacional, o evento, que segue até quinta-feira (15), tem como tema Olhares Cruzados: França-Brasil. Ao longo da programação, 22 jovens pesquisadores terão a chance de apresentar seus estudos sobre os dois países, nas oito mesas-redondas do evento. A transmissão das atividades é feita pela UnBTVem seu canal no YouTube.

 

>> Confira aqui a programação

 

Na abertura do evento, a embaixadora da França no Brasil, Brigitte Collet, destacou que após o sucesso da primeira edição em 2018, houve a vontade de tornar a atividade duradoura, instituindo, assim, um ritmo de encontros bienais. “A Jornada de Jovens Pesquisadores em Ciências Humanas e Sociais constitui um novo e importante marco da cooperação científica franco-brasileira”, pontuou.

 

Brigitte Collet também celebrou a parceria entre Embaixada e UnB que resultou na constituição da Cátedra Franco-Brasileira de Altos Estudos em Ciências Humanas e Sociais Aplicadas, a qual tem contribuído para expandira cooperação acadêmica entre Brasil e França. “Essa cátedra complementa um sistema por meio do qual cerca de 30 professores pesquisadores farão intercâmbio entre a Universidade brasileira e instituições de ensino superior e pesquisa francesas”, detalhou.

A reitora Márcia Abrahão detalhou, em números, a profícua colaboração entre UnB e instituições francesas. Os acordos de cooperação com a França representam 20% dos celebrados pela UnB com instituições no exterior. Imagem: Reprodução/UnBTV

 

Entre os parceiros internacionais da UnB, a França é um dos principais. “São 48 acordos vigentes com a França, o que representa cerca de 20% da parceria da Universidade com instituições estrangeiras. Há ainda outros acordos em diferentes fases de tramitação. Em termos de mobilidade, enviamos 345 alunos à França e recebemos 186 alunos do país europeu entre os anos de 2008 e 2020”, assinalou a reitora Márcia Abrahão durante a solenidade.

 

Na avaliação da gestora, a jornada consolida ainda mais os vínculos entre os países no campo da ciência. “Essa estrutura que ajudamos a pavimentar com a jornada aberta hoje fortalecerá ainda mais os laços entre as comunidades científicas das ciências humanas e sociais da França e do Brasil”, disse Márcia Abrahão.

  

PASSAGENS – A professora Ana Rossi, do Departamento de Línguas Estrangeiras e Tradução da UnB, ministrou a conferência de abertura Passagens e Passages: recortes a partir de Walter Benjamin, que teve como ponto de partida celebrada obra do filósofo e sociólogo alemão sobre a modernidade.

 

“O título associa duas palavras, uma em português, passagens, e a outra em francês, passage, que sem serem as mesmas, referem-se à mesma coisa, ao mesmo movimento, ao mesmo designado, ir de um lugar para outro”, disse.

 

A docente frisou que o ir de um lugar para outro identifica questões em um mesmo campo disciplinar, como também foca no que está fora e no que está ao lado, e que pode ser objeto de diálogo. “Assim foi pensada, organizada e conceituada a segunda Jornada de Jovens Pesquisadores em Ciências Humanas e Sociais”, explicitou.

A professora Ana Rossi destacou que o evento estabelece olhares cruzados para os objetos de estudo dos pesquisadores, promovendo um diálogo. Imagem: Reprodução/UnBTV

 

Na avaliação de Ana Rossi, ,“a segunda Jornada de Jovens Pesquisadores em Ciências Humanas e Sociais, ao estabelecer como tema Olhares cruzados: França-Brasil, reforça essa parceria histórica [entre países] e abre o escopo da discussão para a produção científica dos jovens pesquisadores em ciências humanas e sociais, permitindo um "ir e vir", em termos de reflexão”.

 

INTERNACIONALIZAÇÃO  Ana Rossi destacou que a segunda edição do evento constitui um passo da UnB em direção à internacionalização e um marco, já que este se insere na tradição de cooperação científica que a Universidade possui com as instituições de ensino e de pesquisa francesas.

 

Para ela, esse processo está inserido em uma estratégia de política pública referente ao ensino superior e conjuga diversas ações que visam inserir a produção científica da UnB no âmbito de um mundo globalizado.

 

A professora apontou como exemplo de iniciativa neste âmbito acordo entre a UnB e a Embaixada da França, assinado em 2018, que cria a Casa Franco-Brasileira da Ciência, instalada no prédio da Fundação de Empreendimentos Científicos e Tecnológicos (Finatec). A estrutura abriga, desde então, três importantes órgãos: o Centro de Pesquisa e Desenvolvimento Agronômico (Cirad), o Instituto de Pesquisa e Desenvolvimento (IRD) e Campus France, agência governamental de mobilidade e cooperação acadêmica.

 

A docente também comentou o impacto da Cátedra Franco-Brasileira de Altos Estudos em Ciências Humanas e Sociais Aplicadas para a produção de conhecimento e formação acadêmica na Universidade. “A consolidação da Cátedra na UnB é fundamental para desenvolver as parcerias que, forçosamente, vão repercutir no intercâmbio, na produção científica dos cursos de graduação e, principalmente, nos cursos de pós-graduação das disciplinas que compõem as ciências humanas e sociais", salientou Ana Rossi.

 

Confira a abertura da jornada:

 

 

 

ATENÇÃO – As informações, as fotos e os textos podem ser usados e reproduzidos, integral ou parcialmente, desde que a fonte seja devidamente citada e que não haja alteração de sentido em seus conteúdos. Crédito para textos: nome do repórter/Secom UnB ou Secom UnB. Crédito para fotos: nome do fotógrafo/Secom UnB.